Skip to navigation – Site map

Do mito à realidade : a esperiência de turismo sustentável na communidade Do Vale Encatando, Floresta de Tijuca, Rio de Janeiro, Brasil

From Myth to Reality: The Experience of Sustainable in The Vale Encantado Community in Tijuca Forest, Rio de Janeiro, Brazil
Du mythe à la réalité : l'expérience du tourisme durable dans la communauté du Vale Encantado, Forêt de Tijuca, Rio de Janeiro, Brésil
Del mito a la relidad : la experiencia del turismo sostenible en la comunidad de Vale Encantado, Bosque de Tijuca, Río de Janeiro, Brasil
Otávio Alves Barros and Maria Emília Melo
This article is a translation of:
From Myth to Reality: The Experience of Sustainable Tourism in The Vale Encantado Community in Tijuca Forest, Rio de Janeiro, Brazil

Abstracts

Considered one of the largest urban forests in the world and the third largest in Brazil, the Tijuca Forest, in the city of Rio de Janeiro, faces the great challenge of living harmoniously and sustainably with the 46 slums located around it. One of these communities, Vale Encantado, whose occupation dates from the mid-eighteenth century, experienced the various production cycles that developed in the area, through logging, farming, livestock production, ornamental plants and black granite mining. To a greater or lesser degree, these production cycles impacted negatively on the native forest. However, simultaneously with this process, the Vale Encantado community has witnessed the implementation of reconstruction and conservation efforts of this fragment of Atlantic Rainforest, through reforestation and the creation of the Tijuca National Park in 1961. Today, through sustainable tourism and the social cuisine program, Vale Encantado has become a benchmark in the process of coexistence, integration and conservation of the local environment, and is the acknowledged "guardian of the forest."

Top of page

Full text

Introdução

1A história do Vale Encantado está intimamente ligada à Floresta da Tijuca, que antes de se tornar Parque Nacional já se encontrava ocupada por descendentes dos antigos foreiros portugueses que habitaram a região para implantação de fazendas e chácaras agrícolas onde se cultivava principalmente café e cana de açúcar.

2Nos dois últimos séculos, a floresta passou por sucessivos ciclos produtivos. Uma historia que é contada hoje pelos habitantes do seu entorno e relatada em mapas, livros e documentos.

3As atividades econômicas que marcaram estes ciclos produtivos causaram forte degradação no meio ambiente. O desmatamento para extração de madeira e implantação das lavouras afetou a disponibilidade e qualidade da água que abastecia a cidade do Rio de Janeiro, fato que levou o imperador D. Pedro II, em 1861, a ordenar o reflorestamento da área utilizando mão de obra escrava, processo que levou mais de 10 anos.

4A agricultura se estendeu até meados do século passado, quando a competição com as lavouras de São Paulo cultivadas por imigrantes japoneses fez arrefecer a produção local. Neste período, iniciou-se no Vale Encantado o cultivo de flores e a extração do granito preto, de grande valor comercial. As pedreiras, em virtude das explosões para extração do granito, causaram graves prejuízos ao meio ambiente afetando a cobertura vegetal e as nascentes que abasteciam a comunidade, embora tenham proporcionado a atração de novos moradores com as oportunidades de emprego e renda.

5O aumento da consciência ambiental nas décadas de 1980 e 1990, todavia, levou a interrupção da atividade das pedreiras. A produção de flores (especialmente de azaléias, camélias e agapantos) também diminuiu devido à concorrência com o cultivo de novas espécies na região serrana do estado por imigrantes europeus. A diminuição da produção de flores e o fechamento das pedreiras fizeram como que muitos moradores deixassem a região.

6A falta de oportunidade de trabalho e as preocupações com a preservação ambiental levaram a comunidade a buscar novas perspectivas de desenvolvimento social e econômico.

7As dificuldades enfrentadas com o fechamento da pedreira, o desmatamento e falta de emprego, além de outros como a falta de saneamento básico, falta de iluminação publica, coleta de lixo e transporte público, forçou a comunidade a se organizar em associação. Em 1992 foi criada a AMATA - Associação de Moradores e Amigos da Taquara do Alto da Boa Vista.

8Em 2005, um representante da organização não governamental ABAQUAR/PARIS esteve no Brasil e identificou no Vale Encantado um grande potencial para o desenvolvimento turístico. A comunidade se diferenciava das outras favelas do Rio de Janeiro por ser pacífica e estar livre do tráfico. Somados a estes aspectos, destacava que o Vale Encantado está inserido numa área bastante visitada por turistas nacionais e estrangeiros no Alto da Boa Vista que chegam atraídos por suas belezas naturais (Mata Atlântica, rios e cachoeiras), históricas e culturais. Sua localização privilegiada proporciona ainda uma vista magnífica das praias da Zona Oeste do Rio.

9Desta aproximação e apoio da ABAQUAR/PARIS surgiu o projeto de ecoturismo no Vale Encantado. Recentemente, outros apoios e parcerias foram surgindo, frutos da capacidade de organização e mobilização social da comunidade, por parte de instituições brasileiras como a incubadora de projeto Genesis da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro – PUC/RIO e o Instituto Ventura de Desenvolvimento Sustentável.

10O sonho da comunidade em se manter no local de forma digna e sustentável, preservando suas raízes e cultura, encontrou respaldo social, inicialmente na cooperação internacional e posteriormente nestas instituições brasileiras. Com estes apoios, este sonho vem se tornado hoje uma realidade. Assumindo cada vez mais o papel de protagonista como “guardião da floresta”, o Vale através do manejo e uso sustentável dos recursos naturais e culturais do entorno do Parque Nacional da Tijuca, vem se constituindo em uma referencia a ser difundida e replicada para outras comunidades que se localizam no entorno de unidade de conservação.

O Parque Nacional da Floresta da Tijuca

Figura 1. O Parque Nacional da Floresta da Tijuca - PARNA-Tijuca possui uma extensão de 3.972 hectares cuja formação se define pela soma de seis florestas: Andaraí-Grajaú, Paineiras, Santa Inês, Tijuca, Gávea Carioca. Estas proporcionam nascentes de água cristalina e o clima ameno para a cidade, bem como a proteção de encostas contra chuvas intensas e controle de enchentes, prestando importantes serviços ambientais.1

Figura 1. O Parque Nacional da Floresta da Tijuca - PARNA-Tijuca possui uma extensão de 3.972 hectares cuja formação se define pela soma de seis florestas: Andaraí-Grajaú, Paineiras, Santa Inês, Tijuca, Gávea Carioca. Estas proporcionam nascentes de água cristalina e o clima ameno para a cidade, bem como a proteção de encostas contra chuvas intensas e controle de enchentes, prestando importantes serviços ambientais.1

11O PARNA-Tijuca abriga importantes atrativos da cidade do Rio de Janeiro, como a estátua do Cristo Redentor, a Vista Chinesa, o Hotel das Paineiras, o restaurante Sivestre, a Capela Mayrink, o Museu do Açude, entre outros.

12A vegetação original era de Mata Atlântica, no entanto, devido aos processos de degradação com a retirada da madeira para construção, lenha e carvão, e expansão da lavoura cafeeira e outros cultivos, esta foi parcialmente destruída. A recuperação da área se deu por ordem do imperador D. Pedro II, que determinou seu reflorestamento com uma rica e diversificada flora de espécies nativas (angico, araribá, cedro, ingá, ipês, palmito, quaresmeira, etc.) e exóticas (bambu, fruta-pão, jaqueiras, jabuticabeiras, mangueiras, etc.).

13Em 1991 a Floresta da Tijuca foi considerada pela Unesco como Reserva da Biosfera, Patrimônio da Humanidade. Um esforço conjunto do poder público e das comunidades do entorno do Parque tem sido realizado pelo CONCA – Conselho de Cidadania do Alto da Boa Vista, visando a convivência das comunidades com a preservação do Parque Nacional da Tijuca2.

A comunidade do Vale Encantado

Figura 2. Impacto ambiental das pedreiras

Figura 2. Impacto ambiental das pedreiras

Figura 3. O Vale hoje – Natureza Preservada

Figura 3. O Vale hoje – Natureza Preservada

14Diversas famílias a exemplos dos Carvalhos, Barros e Medeiros, descendentes de antigos foreiros portugueses, ocuparam o Vale Encantado. Estas famílias, além do café, cultivavam hortaliças e legumes que abastecia as chácaras e fazenda do Alto da Boa Vista e comercializavam o excedente na Praça 15, Centro do Rio.

15Por volta de 1950 dois novos ciclos de geração de renda, o cultivo de flores e a extração do granito preto da Tijuca, tiveram início no Vale, mas estes tiveram vida curta, pois, sem conseguir competir com os preços mais baixos das flores cultivadas pelos imigrantes europeus da Região Serrana do Rio, a produção de flores foi interrompida na década de 1980. No caso da extração do granito, mais lucrativa e sem concorrência, seu desenvolvimento foi rápido, gerando renda e atraindo novos moradores para o local. Raro, de boa qualidade o granito preto tinha grande valor comercial. No entanto, mais uma vez, a atividade causou graves prejuízos ao meio ambiente, deixando a terra sem cobertura vegetal, sendo totalmente desativada na década de 1990, devido às pressões ambientais. Muitos dos imigrantes que viviam da extração do granito foram embora em busca de melhores condições de vida, deixando para trás as poucas famílias que já existiam e outras que criaram suas raízes no Vale.

16Para resolver inúmeros problemas ocorridos com o fechamento da pedreira, os moradores criaram em 1992 a AMATA - Associação de Moradores e Amigos da Taquara do Alto da Boa Vista, mas seis meses depois a associação fechou. Os problemas, então, só aumentaram. Uma ação do Ministério Publico para remoção da comunidade fez com que em 2005 esta associação fosse reativada. Hoje a AMATA tem um importante papel no desenvolvimento social e econômico local e integra o conselho gestor do Parque Nacional da Tijuca, tendo um dos seus membros como Secretário. A AMATA é uma das mais ativas associações do Alto da Boa Vista.

17O francês Jerome Auriac, da organização não govermental ABAQUAR/PARIS, que já conhecia várias regiões do Brasil, veio visitar uma amiga no Alto da Boa Vista em um condomínio de classe média perto da Comunidade do Vale Encantado. Esta amiga tinha um contato com uma moradora do Vale há vários anos e convidou Jerome para conhecer o local. Este logo percebeu o potencial turístico da comunidade e ofereceu duas vagas para que dois moradores fossem capacitados como guias de turismo. A partir deste momento, os moradores da comunidade começaram a fazer reuniões e discussões para criar uma cooperativa de Turismo Social. Depois de muitas reuniões, indicaram duas pessoas da comunidade para fazer o curso e, através dos contatos e conhecimentos do Jerome, muitos amigos começaram a visitar o Vale para fazer caminhadas ecológicas e degustar um saboroso lanche elaborados pelas mulheres da comunidade, preparado com produtos originários da floresta e outros cultivados pelo moradores.  

18A idéia foi ganhando corpo e em 2007 foi criada a COOVE-RJ - Cooperativa Vale Encantado Ltda, a primeira cooperativa social do entorno do PARNA–Tijuca. A partir daí, AMATA e a Coove se uniram em busca de recursos para promoverem o desenvolvimento social local de forma sustentável, através de projetos. Hoje esta organização vem crescendo e melhorando a qualidade de vida dos moradores do Vale.

O projeto de ecoturismo e gastronomia social

  • 3  Freire- Medeiros, Bianca. Gringo na Lajeprodução, circulação e consumo da favela turística. Rio (...)

19No Rio de Janeiro um importante fenômeno social e cultural vem se desenvolvendo. Trata-se, como analisa a socióloga Bianca Freire- Medeiros em seu livro “Gringo na Lage”3, da conversão de favelas em destinos turísticos. Esta autora identifica que estas favelas vêm sendo promovidas, vendidas e consumidas de diversas maneiras: como paisagem física e/ou social, como destino ecoturístico, como turismo de aventura e/ou cultural.

20Ela estima que “somente na Rocinha, cinco agências (atualmente já são sete) atendiam, em conjunto, a uma média de 2,5 mil (atualmente calcula-se que já sejam 3,5 mil) turistas por mês”. P.10 Este fenômeno, segundo ela, não é um caso isolado, pois várias favelas do Rio de Janeiro, além da Rocinha, tais como o Morro dos Prazeres, o Morro da Babilônia e o Morro da Providencia, já desenvolvem algum tipo de atrativo turístico.

21O fenômeno que vem transformando o Vale Encantado em destino turístico não é diferente. A proximidade do Parque Nacional da Tijuca, a natureza exuberante e a organização social da comunidade despertam o interesse de turistas estrangeiros e brasileiros.

22A comunidade, neste processo, se identifica como um destino ecoturístico, e vem buscando potencializar o turismo sustentável através de dois eixos principais de atuação, que interagem entre si visando o desenvolvimento local: 1) a implementação de trilhas ecológicas e 2) a promoção da gastronomia local.

23Através destes esforços várias iniciativas estão sendo desenvolvida dentro e fora da comunidade, na busca de um novo modelo de sustentabilidade.

Ecoturismo comunitário - Trilhas ecológicas

24O Vale já recebeu mais de 1000turistas de diversas origens, desde que começou a sua atividade. Algumas importantes parcerias com agências e operadoras de turismo preocupadas com o conceito de sustentabilidade e desenvolvimento social vêm sendo firmadas. O projeto possui três tipos de trilhas ao final das quais a comunidade oferece um delicioso lanche integrando as atividades desenvolvidas na comunidade. Os turistas também podem ter acessos a produtos da comunidade como geléias e doces artesanais, e venda de artesanato.

Figura 4. Ecoturismo comunitário - Trilhas ecológicas

Figura 4. Ecoturismo comunitário - Trilhas ecológicas

Promoção da gastronomia local

25A comunidade vem desenvolvendo receitas com o objetivo de melhor aproveitar os produtos cultivados nos quintais das casas e outros que crescem naturalmente na floresta. Com estes ingredientes naturais elaboram deliciosas iguarias como: pastel de taioba, geléia de chuchu com pimenta, jacalhau, empadinha de jaca e coração de banana, entre outras, além de sucos exóticos como de chuchu com hortelã e maracujá com couve e saborosos bolos de frutas da época.

26Com uma participação crescente em eventos realizados pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro / PUC-Rio, o Buffet Social da cooperativa vem ganhando visibilidade, demonstrando seu potencial e viabilidade econômica e gerando renda principalmente para mulheres da comunidade.

Figura 6. Promoção da gastronomia local

Figura 6. Promoção da gastronomia local

27Estas atividades são acompanhadas de uma experiência bem sucedida de gestão compartilhada dos recursos gerados. Hoje a Coove conta com 20 cooperados que desenvolvem os trabalhos cotidianos e o envolvimento de outros moradores da comunidade e da região.

28A parceria com instituições nacionais e internacionais tem proporcionado a qualificação técnica da equipe com a formação de cozinheiros, garçons e guias de turismo, além de viabilizar a organização de uma infraestrutura capaz de atender a serviços de externos.

29Outras iniciativas como a implantação de um viveiro de mudas nativas, a horta orgânica e a reciclagem de lixo estão sendo formuladas e implementadas. A busca de fontes de energia alternativa como o Aquecedor Solar de Baixo Custo e de formas alternativas de tratamentos de resíduos também fazem parte das metas da comunidade, que já vivencia um amplo processo de divulgação do seu trabalho na mídia impressa, televisiva e digital, demonstrando o grande interesse que desperta.

Lições aprendidas – uma experiência que está se transformando em referência

30O contexto do projeto é passar a realidade vivida durante dezenas de décadas por moradores legítimos de um local esquecido pelo poder publico, que para viver e tirar o sustento de suas famílias dependia da exploração de madeira, do plantio e de atividades que degradaram o meio ambiente como a extração do granito preto.

31Estes moradores resgatam sua história e origem, quase esquecidas pelo tempo. Hoje, os mais velhos passam para os mais novos suas experiências, os direitos e deveres de moradores do entorno de uma unidade de conservação, para que, no futuro, não caiam no esquecimento e se transformem em reféns da especulação imobiliária.

32Nesta nova realidade, os moradores do Vale se propõem a viver pacificamente com a natureza que os cerca, tirando dela o seu sustento sem degradá-la.

33Muitos avanços podem ser registrados como a preservação da floresta, do solo e da água, a geração de renda, a criação de oportunidades de trabalho, o reconhecimento social e melhoria da auto-estima da comunidade, mas muitos desafios ainda se colocam para os moradores de Vale, como os de superar os problemas históricos de acesso aos serviços públicos como transporte, tratamento de resíduos, iluminação, entre outros.

34Hoje a cooperativa é tão importante quanto à associação de moradores. A expectativa de seu crescimento é de 33,3% ao ano, até atingir 100% no final de 2013, quando deverá se tornar a primeira comunidade auto-sustentável no entorno do Parque Nacional da Tijuca.

35Com este crescimento e visibilidade, a idéia que o projeto Vale Encantado se transforme em referência e possa se expandir para outras comunidades do Alto da Boa Vista, gerando renda e desenvolvimento, e trazendo novas oportunidades para os moradores do Vale.

Agradecimentos

36A comunidade agradece a todos aqueles que através de suas organizações ou individualmente têm contribuído para a implementação, o sucesso e divulgação do trabalho no Vale Encantado. Listá-los constituiria uma extensa lista de importantes apoios e poderia levar ao risco de esquecermos algum nome. Neste sentido, optamos por saudá-los em conjunto e deixar aqui o nosso agradecimento a todos os amigos e cooperadores.

Top of page

Notes

1 O http://www.redeprotecaopnt.org.br/parque acesso em 30/06/2011.

2 http://concacidadania.blogspot.com/2010/04/nao-remocao-de-favelas-na-globo_7038.html   acesso em 30/06/2011.

3  Freire- Medeiros, Bianca. Gringo na Lajeprodução, circulação e consumo da favela turística. Rio de Janeiro, ed. FGV, 2009.

Top of page

List of illustrations

Title Figura 1. O Parque Nacional da Floresta da Tijuca - PARNA-Tijuca possui uma extensão de 3.972 hectares cuja formação se define pela soma de seis florestas: Andaraí-Grajaú, Paineiras, Santa Inês, Tijuca, Gávea Carioca. Estas proporcionam nascentes de água cristalina e o clima ameno para a cidade, bem como a proteção de encostas contra chuvas intensas e controle de enchentes, prestando importantes serviços ambientais.1
URL http://factsreports.revues.org/docannexe/image/1154/img-1.jpg
File image/jpeg, 280k
Title Figura 2. Impacto ambiental das pedreiras
URL http://factsreports.revues.org/docannexe/image/1154/img-2.jpg
File image/jpeg, 352k
Title Figura 3. O Vale hoje – Natureza Preservada
URL http://factsreports.revues.org/docannexe/image/1154/img-3.jpg
File image/jpeg, 340k
Title Figura 4. Ecoturismo comunitário - Trilhas ecológicas
URL http://factsreports.revues.org/docannexe/image/1154/img-4.jpg
File image/jpeg, 172k
Title Figura 6. Promoção da gastronomia local
URL http://factsreports.revues.org/docannexe/image/1154/img-5.jpg
File image/jpeg, 147k
Top of page

References

Electronic reference

Otávio Alves Barros and Maria Emília Melo, « Do mito à realidade : a esperiência de turismo sustentável na communidade Do Vale Encatando, Floresta de Tijuca, Rio de Janeiro, Brasil », Field Actions Science Reports [Online], Special Issue 3 | 2011, Online since 24 November 2011, connection on 28 July 2017. URL : http://factsreports.revues.org/1154

Top of page

About the authors

Otávio Alves Barros

Presidente da Coove-RJ – Cooperativa Vale Encantado Ltda e presidente da AMATA – Associação de Moradores e Amigos da Taquara, Guia de Turismo credenciado pela Embratur, Ensino médio completo, Estrada da Paz – Travessa Vale Encantado, 02, Alto da Boa Vista, Rio de Janeiro, CEP 20.531-340,  Brazil, Website: http://www.valeencantado.org.br, E-mail : otavio@valeencantado.org.br

Maria Emília Melo

Assessora do Projeto de Ecoturismo no Vale Encantado, Engenheira Agrônoma pela UFRPE e Mestre em Desenvolvimento Agrícola pelo CPDA/UFRRJ. Pesquisadora no tema do turismo e sustentabilidade com MBA pelo Observatório de Inovação do Turismo da EBAPE/FGV-Rio de Janeiro, E-mail : emilia@valeencantado.org.br

Top of page

Copyright

Creative Commons Attribution 3.0 License

Top of page
  • Les cahiers de Revues.org